Governo do Estado garante emprego dos funcionários da CBTU no novo VLT

18

Com a proximidade da abertura do edital para a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Salvador, os funcionários da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) na Bahia se reuniram na tarde desta segunda-feira (03) com o chefe da Casa Civil do Estado, Bruno Dauster, e com secretário da pasta de Desenvolvimento Urbano do Governo, Fernando Torres, para tratar da garantia dos direitos dos trabalhadores que hoje atuam no setor, especialmente no Sistema Ferroviário do Subúrbio, que liga os bairros de Paripe e Calçada.
 
Representados pelo diretor e pelo coordenador geral do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Ferroviário e Metroviário da Bahia (SindiFerro), Pedro França e Paulino Moura, respectivamente, os funcionários exigiram garantias sobre a relocação dos mesmos para o novo sistema. “Existem cerca de 100 funcionários preocupados com a nova empresa do grupo internacional que já está se mostrando interessada. O Governo nos garantiu verbalmente que não seríamos dispensados, mas queremos essa promessa por escrito”, explicou Moura.
 
Acompanhando o encontro, o deputado estadual Joseildo Ramos (PT), que já atuou junto ao grupo anteriormente contra a resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que retiraria os trilhos da Ferrovia Centro Atlântica (FCA) na Bahia, também pontuou a necessidade de garantir o emprego dos funcionários que hoje já trabalham em regime de hora extra para suprir a falta de pessoal. “O Governo terá que oferecer condições para isso acontecer. Esse pessoal já sofreu um baque lá em 2005, quando foram transferidos da esfera federal para a municipal, e, recentemente, mais uma vez, foram remanejados para a estadual. Eles precisam ser mais respeitados”, afirmou Joseildo.
 
Representando o Governo do Estado, o chefe da Casa Civil, Bruno Dauster, afirmou que a implantação do VLT virá “não como uma sentença de morte, mas de sobrevivência” para os funcionários da CBTU. De acordo com o secretário, além de não haver nenhuma perspectiva de fechamento, os planos do Governo para os empregados do setor é de que eles passem por um processo de requalificação para que atuem no novo sistema. Além disso, no lugar de contratar uma empresa terceirizada para fazer a certificação do VLT para o Estado, a ideia é de que o Governo dê mais musculatura para o órgão para que o mesmo atue como regulador no processo de obras, e isso estará posto no edital. “Vocês são os verdadeiros heróis da luta pelos trilhos. É claro que haverá lugar prioritário para todos, do maquinista ao mecânico, no novo modelo”, afirmou Dauster.
Compartilhar