Neusa denuncia cultura do estupro e silêncio do governo golpista

31

Em pronunciamento realizado nesta segunda-feira (30), na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, a deputada Neusa Cadore (PT) denunciou a cultura do estupro e lembrou os recentes casos de violência contra as mulheres. “É com muita indignação e perplexidade que venho a esta tribuna somar minha voz a das companheiras que estão nas ruas denunciando a violência contra as mulheres. O estupro coletivo praticado por 33 homens contra uma jovem no Rio de Janeiro, e outra em Bom Jesus (PI), vitimada por cinco homens, chocou o Brasil e o mundo esta semana”, denunciou a petista.

 

Neusa disse que o estupro, assim como qualquer outro tipo de violência contra a mulher, não tem justificativa, tem consequências graves. “É um crime que humilha, constrange, viola, dilacera, compromete a intimidade, a saúde física, mental e emocional das mulheres, sofrimento que lhes acompanha pelo resto das suas vidas”, afirmou Neusa.

 

Para a deputada, o que aconteceu essa semana não é um caso isolado. É fruto da cultura do estupro cujas raízes estão fincadas na nossa sociedade patriarcal, machista e misógina. “A cultura do estupro tenta impor que a mulher é culpada e que o “agressor” tem algum tipo de patologia, o que não é verdade. Sabemos que a maior parte desses crimes ocorrem pelos homens considerados “normais”, que também julgam normal tal comportamento. Afinal, a sociedade ainda tolera a objetificação do corpo da mulher, julga pela roupa e pelo comportamento como se isso justificasse tal conduta. Mas sabemos que por detrás disso está a busca pela manutenção da relação de poder na qual o homem tentar manter a mulher em um estado de medo permanente”, reafirmou Neusa.

 

No Brasil a cada 11 minutos acontece um estupro, de acordo com o 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2014, ano em que foram registradas 47,6 mil vítimas desse crime. Na Bahia, foram 2.549 ocorrências desse tipo e somente nos três primeiros meses de 2016, já foram registrados 576 casos.

 

“A cultura machista também dificulta o acolhimento das vítimas e a impunidade vai fazendo crescer o vergonhoso índice”, reconheceu a parlamentar. Neusa criticou a extinção do Ministério de Política para as Mulheres e o silêncio do governo golpista de Michel Temer, cujo Ministro de Educação recebeu o ator Alexandre Frota estuprador confesso.

Compartilhar